Quem tem diabetes ou convive com alguém que tem sabe as dificuldades. A diabetes é uma doença crônica que com a sobrecarga de glicose, dentre outras órgãos, afeta também a pele. A doença deixa a pele mais seca e mais sujeita a problemas, que envolvem desde maior abertura a proliferação de microorganismos e infecções a grandes dificuldades no processo de cicatrização.

De acordo com a dermatologista Vanessa Cunha, da Sociedade Brasileira de Dermatologia,  com os altos índices de açúcar no sangue a pele cede um pouco de água para o resto do organismo e se desidrata. Assim, a secura leva o tecido a ter rachaduras muitas vezes até discretas, que servem de porta de entrada a micróbios.

A cicatrização é dificultada pelo sangue doce e pode lesar terminações nervosas em alguns cantos do corpo. Isso tira parte da sensibilidade usual do local. O resultado é que uma feridinha qualquer tem maior risco de passar despercebida e agravar-se. Por isso, diabéticos tem que estar mais atentos ao corpo e a qualquer indício de lesão na pele.

Atenção redobrada aos pés

Fique atento a proteção e higiene adequada dos pés. Como já foi falado, há uma predisposição a machucados e infecções capazes de gerar consequências graves . Para isso, calce sapatos confortáveis e meias de algodão, seque bem os pés e fale com o médico a qualquer sinal de ferida. Cremes também devem ser aplicados, porém sem exagero entre os dedos. Visto que a região fica úmida demais, algo propício a micoses.

Referências:
Sociedade Brasileira de Dermatologia
Revista Saúde